segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Autoridade

Tenho que confessar, mas acho que tenho problemas com Autoridade...

Posso dizer que isso comecou em casa, sou atrevida, sempre fui, fiz isso a comecar com meu pai.
Meu pai sempre foi tido como um cara durao, mas eu saliente na puberdade o enfrentei, ex.: quando quiz namorar  com 15 anos o chamei pra conversar e ele nao aceitou, mas comigo acabou engolindo, depois quando resolvi sair de casa com 18 anos, acabou aceitando tb sempre foi assim quando tinha que encara-lo fazia e pronto, mas isso nao quer dizer que o desrespeitava nao.

Nos tempos de escola enfrentei uma vez um professor de Biologia, meus colegas da epoca disseram, "eguas pensei que tu ias bater no professor",  na Uni a mesma coisa, em especial uma professora uma das melhores, no final das contas ela foi minha orientadora.

No trabalho a mesma coisa, a primeira escola que trabalhei os coloquei na justica e ganhei, depois outra escola onde trabalhei queriam me explorar ex.: queriam que todo sabado eu fosse so fazer planejamento,  sem pagarem o tranporte e o dia extra e eu disse que nao iria nao sem pagamento por esse dia extra,  a direcao soube que eu tinha colocado uma escola na justica e ficaram receosos de qualquer exigencia ou exploracao comigo.

Enfim, aqui na Alemanha, mando no marido e ponto rs, brincadeirinha, mas ele mesmo diz que eu sou a chefe.

Continuando, na Alemanha ja falei que no meu primeiro trabalho tive problemas com a loura, nazista alema, mas que depois de um tempo eu resolvi, chamando-a na chinxa, mas ela nao era a Chefe.

Agora no novo trabalho, o meu chefe faz muita pressao, quer tudo rapido e sempre coloca um defeito no meu trabalho, gente serio eu sou temperamental mesmo, ja dei umas respostinhas, mas tudo dentro do limite, gente eu erro, assumo e me desculpo, mas o que ele quer, que eu me lamenteee, ajoelhe e me jogue na linha do trem, ah perai, faz favor ne humpf.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

'Smalltalk'

Quando fiz o nível B2 do curso de alemao, lá no livro tinha esse tema 'Smalltalk', que quer dizer puxar conversa, iniciar uma conversa, agora pense isso com os alemaes.

Lá no trampo novo tem horas que tento praticar isso com esses arianos, puxo conversa de tudo, de estudo, da família, de idiomas, viagens, comida, bebida, etc., etc., etc., e claro sobre a língua alema, de como falar corretamente, falo, falo, falo que canso e chega uma hora que acaba o repertório.

Aí eu espero dos arianos  o mesmo, gente esse povo nao tem muita iniciativa pra conversar, nao tem curiosidades, aí eu volto a falar, falar, procuro mais assuntos, pq senao paira o silêncio, aff.

De qualquer forma mesmo me dando calo na língua vou continuo na luta tentando papo com essa raca pura, pelo menos treino meu alemao, eles devem me achar tagarela e risonha, é quem precisa sou eu... humpf.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Dá-me paciência


Ando impaciente com os alemaes.
Muita calma nessa hora.
Nao sao todos.
Vou explicar.
É lá no trampo novo.

4 sao 100% alemaes, a mais velha é a mais legal, os mais novos tem q ter saco, mas 1 dessas é esquisita d+, em vez de deixar eu fazer, faz, achando q eu nao sou capaz, hj a chamei na chinxa, querida nao faca por mim, eu faco, se eu errar somente me explique, me oriente novamente e eu corrijo, eu tenho que aprender e só irei aprender se fizer, e se errar com certeza depois irei acertar, ela só arregalou o olho, senti q ficou desconfortável e eu me senti, mas falei e vou falar mais êpa-hum-lêlê, mexe comigo nao.


Dá vontade de falar, nao sou analfabeta, sou estrangeira, no meu país tb frequentei a escola, aprendi a ler, escrever, etc., etc., estudei e me graduei e eu já falo a sua língua, modesta eu kakaka, estrangeiro nao é ET é gente como qualquer outra, vcs alemaes sao estranhos, fechados, ah tá é a cultura, tá vou dar um desconto.

Aí dá vontade de falar mais coisa. Nós brasileiros no Brasil, o Brasil recebe de portas abertas, escancaradas o estrangeiro, vixeee ainda mais o europeu, fazemos festa, queremos envolvê-lo, dancamos, sambamos, queremos mostrar nossas belezas naturias, (lembram dos índios na época da colonizacao, desculpa a expressao, depois só levaram no rabo, levamos... temos q mudar?) olhamos no olho, queremos pegar, tocar, temos de certa forma uma alma de crianca, nesse ponto é curiosidade mesmo

Os alemaes vou expriiicar, a princípio, nao te encaram, desviam o olhar, tem receio de se aproximar, de falar, pensam 'o que eu vou falar com essa pessoa? será q esta pessoa irá entender?mongol-retardado éh-é?!


falar, isso leva tempo e como leva tempo, neste ponto ou quem sabe em outros eles demoram se arriscar, ficam lá no cantinho dele, na roda deles, no meio deles, entre eles, eles, eles, eles, eles, elesss.

Voltando ao colegas do trabalho, além de mim tem outra estrangeira, acho q é russa, mais fechadinha aff! dá-me paciência nunca tive, mas como nao estou lá perto da linha do Equador, lugar quente, a paciência está aqui no norte, fria e na geladeira, geladinha e de vez em quando no frezzer congelada, aja saco, sacola.

A outra colega é vietnamesa, quer dizer nasceu na Alemanha, mas os pais sao vietnamitas, é alema, mas tb é vietnamesa e falou/fala vietnamesisch toda vida em casa por causa dos pais, entao ela é multicultural, tem aparencia asiática, é alegre, comunicativa, mais aberta, conversamos, temos nos dado bem.

Vamos ver o que mais acontece...

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Sao tantas coisas...

Nao é a música da Roberta Miranda, mas sao tantas coisas, tantos sentimentos.

Do início, de como ser estrangeiro, de como se sentir como tal.

Eu digo que meus primeiros sentimentos foram de euforia do novo, da novidade, daquele deslumbramento que passa tao rápido, acontece c todo mundo, se nao aconteceu c vc, vai fazer a linha ali na esquina tá, sim claro, mas os dias vao passando e vem a rotina, a realidade...

Ah! a realidade, querido(a) vc tem que fazer as mesmas coisas que fazia no seu país, Brasil, ou seja la onde for.

No seu país vc foi criancinha, nao foi? E estudou, estudou, aí cresceu e foi trabalhar,... e aqui rola do mesmo jeito como em qualqer outro lugar.

Entao colega, no seu novo país vc tem que estudar de novo e lá fomos nós, tem gente que nao estuda logo, uns pq nao podem, nao conseguem, entendo, mas outros pq nao querem mesmo, outros por medo de errar, enfrentar, fácil nao é, mas tb um monstro nao pode ser ou por pura preguica, isso todo mundo sente, somos humanos, ora, ora, mas permancer nessa vibe nao mesmo.

O curso de alemao, to falando mesmo é do início, foi pank, tudo em alemao, os professores se recusavam falar qualquer outro idioma, tem que entender  é em alemao, sem dó, nem piedade, típico dos alemaes, nao, nao, nao, agora to generalizando e sendo pre-conceituosa, nem todos sao assim. E sim os professores estavam certos.

A cabeca doía e como aff, vc se esforcava, eu me esforcei muito, chorei, ah! chorei, sim chorei, sou humana e gracas a Deus tenho muito sentimento, típico da minha natureza, de quem vem dos trópicos como eu, ei, mas na maioria das vezes na cama que é lugar quentinho e próprio p isso.

O curso de alemao passou, o estudo de alemao nao e  aí seguem outras lutas, ganhar o teu ou melhor o meu, trabalhar, em alguma coisa vc tem que comecar, em casa é que nao dá, estágio, nebenjob(pequeno trabalho), teilzeit (meio período), vollzeit (tempo integral).

E no trabalho, no meu posso dizer que 99,9% foram ultra-mega legais, tiveram paciência, me respeitaram mesmo, me esclareceram, repetiram p que entendesse, mas 0,1% a cobra loura, véia  (nao é velha nao! é véia mesmo) e de olhos azuis, foi totalmente desrespeitosa, a palavra que a melhor traduz é má, mas já contei em outros posts.

Chorei? Sim chorei de novo, aguentei até o dia que em que meu sangue quente ferveu, eu sabia, eu sei que meu sangue ferve, ou entao nao seria brasileira e ainda mais por cima nordestina, aí eu dei aquela voadeira e a bruxa mudou e se tranformou em lobo com pele de cordeiro, mas a sua substância maligna está lá eu sei e hj com quase 2 anos por lá, meus outros colegas de trabalho já se abrem e falam ela sempre foi assim com todos, um dia tá rindo com as paredes, no outro tá cuspindo fogo (meio má), nós a aguentamos, suportamos, fazemos vista grossa e eu nem falo das cusparadas que ela me deu, mas desculpa isso p mim se chama infelicidade, uma pessoa infeliz, doente que precisa de tratamento psicológico e ela já está no lugar ideal numa clínica específica para isso, entao aproveita e se interna, filha do capiroto. Ah! Schade o Krankenkasse dela nao paga uma diária que custa 300 euros, nao tem o Privatkrankenkasse que dá atendimento Vip...

Tempos e sentimentos diferentes choro, medo, timidez, mas tb coragem, atrevimento,...

E amanha é o meu primeiro dia de trabalho no emprego novo e já tem tanta coisa acontecendo, mas conto depois.