quinta-feira, 16 de agosto de 2012

das picuinhas

Viver em um outro país é uma aventura.
Posso dizer que é uma aventura.
Você vai encarar o novo, a cultura, o idioma, o comportamento, et., etc., etc.,
E recordar é viver e mostra a sua evolucao.
Sabe nao sou uma pessoa com sangue de barata, nunca fui.
Vou contar uma historinha que aconteceu comigo em 2009.
To lá no curso de alemao para estudantes, intensivao.
Cara tava no A1, acho que tava com uns 2 meses nessa terra.
Aí a professora de conversacao, a mais light, pq nao era a de gramática, resolveu fazer um ditado.
A turma bem diversificada, gente de vários lugares, chineses, árabes, russos, poloneses, etc., etc., etc.,
Eu era a mais nova da turma, a galera lá com pelo menos 6 meses e gente com anos.
Sim voltando ao ditado em alemao.
A professora comecou a ditar as palavras e eu lá sem entender muito.
Simplesmente pedi pra professora repetir, pedi umas 2 vezes, 3 vezes.
No Brasil eu aprendi que se vc nao está entendendo tem mais é que perguntar pro professor.
Ah! Pra quê... uma polonesa que já morava aqui uns 2 anos, disse em alemao pra eu parar, tipo assim pra eu calar a boca, pq eu estava atrapalhando, mesmo meu alemao na época sendo precário eu entendi.

Um outro, um árabe aproveitou e disse o mesmo.
Eu simplesmete disse que nao ia mais fazer o ditado.
A professora pediu pra eu fazer, mas eu relutante disse que nao. Ela coitada, nao teve culpa de nada.
Bateu o intervalo e fiquei tao mal que fui embora.
No outro dia vem a polonesa falar comigo, querendo pedir desculpas.
Eu simplesmente disse a ela que ela era intolerante, impaciente, pq ela já morava há 2 anos na Alemanha e eu estava somente há 2 meses.
E na minha pensei eu to fazendo um curso de alemao com 2 meses por aqui e vc que só depois de 2 anos resolveu encarar. Claro que pra ela já era mais fácil, ela já estava acostumada a ouvir alemao, eu estava apenas comecando o processo.
Daí pra frente ela tentou se aproximar de mim, quando me via na rua sorria pra ver se eu sorria de volta, me olhava na sala, tentava um contato.
Enviou solicitacao de amizadade numa rede social.
E eu dura na queda, pq gente eu fiquei com raiva mesmo, mas tudo passa, foi um tempo, eram os choques culturais.
Assim conteceu tb no meu Job, escutei até onde dei, mas depois dei meu grito de liberdade e hj a colega de trabalho é uma flor comigo (falsa toda), como falei nesse post aqui.

das picuinhas: posts que pretendem contar os probleminhas, os conflitos do dia-a-dia na Deutschland.

Ei me conte as suas picuinhas :)

10 comentários:

  1. Uma das minhas picuinhas é com os ciclistas que teimam em tomar as calçadas todas pra eles aqui nessa cidade. Quando visitei Frankfurt, Köln e Berlin, vi que os ciclistas lá ficam na faixa deles, mas também as calçadas são mais largas. E outra, detesto esse pessoal que fica olhando pra mim como se fosse alguma aberração quando eu vou a Plauen visitar os meus sogros. Tá certo que lá não tem muitos negros, mas poxa o olhar deles chega a me incomodar, e lá tem muitos orientais, ou seja, uma etnia diferente, mas incomoda! Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mallu essa dos ciclistas, acho que é normal em cidades menores, acho que até eu faco isso as vezes rs, agora qual é a desse povinho, na Alemanha tem muitos negros, nao sei pq a surpresa, nao se incomode nao, se eles te olham os ENCARE bem forte, tenho certeza que eles mudarao a postura na mesma hora, bjim :)

      Excluir
  2. Barb vc deu o seu recado muito bem dado. Bateu o pé e defendeu o que era seu costume, ou seja, não entender e perguntar. Os colegas por sua vez também tinham seus costumes, e quando se junta muitas pessoas com costumes diferentes, dá nisso! Uma salada de desavenças.
    Mas que bom você poder olhar para trás e perceber que evoluiu no alemão e nas atitudes. Isso reflete sua adaptação. Parabéns.
    Uma picuinha minha foi na frente de um supermercado. Ainda vou escrever sobre ela no blog. Vi um cachorro amarrado, esgoelando e fiquei com pena do bichinho. Me ajoelhei ao lado dele e fiz carinho na cabeça e nas orelhas dele. Nessa hora o dono chegou e gritou muito alto comigo. Meu alemão era precário mas eu entendi ele falando que era pra eu tirar as mãos do cachorro dele e que se quisesse brincar com um cachorro que comprasse um pra mim.
    No cume da minha indignação eu só disse "es tur mir leid". Eu devia ter mandado aquele estúpido nojento pra PQP. Mas estar no país dos outros é isso... Se curvar e se desculpar.
    Bjim
    Márcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Márcia é verdade eu tinha os meus costumes e eles os deles, mas continuo achando que foi um pouco de intolerância e impaciência, já tive outras situacoes onde fui ajudada, mas vou te falar poloneses e russos sao meio assim, depois conto mais desse povo rs, agora essa que vc passou com o cachorro, aff! sei nao acho que alguma eu dizia e olha eu estou no país dos outros como vc disse, mas antes de estrangeiros virem pra cá desculpe a expressao, mas esses filhos da puta europeus estivem na América do Sul, África, enfim e agora eu e outros estrangeiros estamos aqui, é pagar com a mesma moeda e eles vao ter que me/nos engolir e nao eu me curvar e me desculpar, essa mentalidade nao oxe, bjim.

      Excluir
  3. Oi Barb!
    olha só fiz o A1 agora e me aconteceu algo muito parecido, perguntei e a professora sem paciencia me respondeu... eu fiz sinal que na entendi e ela "cagou"... daí perguntei para meu colega do lado e baixinho... cara, a professora ficou irada... falou uns trecos em alemão, que acho que estava me dando uma bronca... tipo perguntar pro colega ao lado pertubava a aula dela... é foda!!!!
    beijossss
    PS>: se esta sumida do blog... some não... beijosss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana ainda bem que nao tive uma experiência ruim com professores por aqui, a minha primeira professora percebeu meu jeito, deixei transparecer logo e ela disse eita "vc é temperamental, disse mais que os sulamericanos sao assim", mas ela me entendeu e me ajudou, foi muito legal comigo e os outros professores perceberam o mesmo e agiram da mesma forma, todos mesmo, sem excessao foram gente fina comigo, agora eu nao sei como é essa do seu curso, mas minha amiga, mostre quem vc é desde agora, nao guarde, isso adoece, nós brasileiros somos bem quentinhos e vc deve ser um pouco assim tb, ah e fiquei curiosa, conte lá no seu blog como está sendo a experência de estudar alemao, do curso de alemao e tals e vou passar por lá sim, bjim.

      Excluir
  4. Picuinha em outro país não tenho pq ainda nao viajei... mas tive um chefe Peruano, todos os dias eu entregava um certo relatório a ele, sorria, dava bom dia e colocava o relatório na mesa. Ele simplesmente virava o rosto e nao respondia ao bom dia - kkkk, então depois de 2 semanas, eu simplesmente jogava o relatorio na mesa dele, virava o rosto e nao dava mais bom dia. Não é q ele passou a me respeitar mais ?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu gentileza gera gentileza, mas com esse cavalo nao dá certo, entao se ele quer ser tratado assim, dê esse veneno a ele rs, gostei da sua atitude, bjim.

      Excluir
  5. Ai Barb, comigo já aconteceu tanta picuinha! E o que dá mais raiva é quando você não tem domínio da língua pra escancarar a raiva. Ficando só com aquela coisa entalada na garganta. Comigo aconteceu um dia de estar numa festa do trabalho e meu namorado tem uma amiga muito próxima, e no começo da festa eu fui conversar com ela dizendo que agora estava aprendendo alemão e que queria praticar com ela. Ela olhou pra mim e disse que eu tinha que praticar com meu namorado e que estávamos numa festa. Eu fiquei lá com cara de trouxa. Depois quando ela já tinha bebido umas chegou me agarrando e dizendo na frente dele que estava orgulhosa de mim, pq eu tinha falado alemão com ela. Acredita?! Mais falsa impossível! E como eles mudam a personalidade quando bebem! Eu pouco falo com ela hj em dia e mesmo quando eu estiver fluente também não vou falar e nem vou convida-la pro meu casamento! hahahaha vingança maligna!!!
    Beijos, querida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, engracado que tem muitos alemaes que dizem que falam espanhol, na verdade nao falam nada, mas o pouco que falam querem praticar com a gente, pensando que é o mesmo que português, nós entendemos claro, sao línguas irmas; ai e essa "amiga" do seu namorado deve ser um vudu de chata, convida mesmo nao, falsa toda,e viva beto carnero :D

      Excluir